Home Introdução Curriculum A Clínica Novidades Perguntas e respostas Custos
Unidade Paulista
Rua Teixeira da Silva, 34 Conj.64
Paraíso - São Paulo - SP

Central de Atendimento
(11) 3022-2227

CORREÇÃO DA ORELHA EM ABANO... eliminando o complexo

orelha em abano é a deformidade mais freqüentemente encontrada entre os portadores de malformações desse órgão. Em alguns casos a orelha não se desenvolve por completo, havendo casos mais raros de ausência total da orelha (agenesia auricular total ). A Cirurgia Plástica dispõe de técnicas, que permitem a correção da orelha em abano ou otoplastia estética, com o objetivo de permitir que o paciente apresente orelhas com aspecto normal e sem cicatrizes visíveis.


Na maioria das vezes a orelha em abano é uma defeito do desenvolvimento em que uma falha na dobra da cartilagem auricular impede que a mesma assuma posição normal, próxima ao crânio, provavelmente devida à fraqueza dos músculos da orelha.

FATOR HEREDITÁRIO...às vezes presente

Parece haver um fator hereditário que condiciona tal situação. A orelha em abano poderia ser também um defeito adquirido. Os bebês com poucas semanas de vida, se permanecerem deitados de lado, com a orelha para a frente, poderão apresentar o problema, segundo o Medical Genetics-Birth Defects Center do Cedars-Sinai Medical Center de Los Angeles, California, Estados Unidos. Segundo ele, o uso de uma touca elástica no primeiro ano de vida poderia evitar a deformidade.

A INTERVENÇÃO CIRÚRGICA...quanto mais cedo, melhor

A cirurgia é feita por uma incisão atrás da orelha, expondo-se a cartilagem, na qual são dados pontos, levando-a para sua posição normal. Quando necessário, um pequeno fuso de pele em excesso é também retirado. Às vezes são necessários pequenos cortes na cartilagem para melhor moldar a orelha. Os meninos geralmente sofrem mais que as meninas com o problema. Estas, por apresentarem cabelo comprido, conseguem disfarçar melhor a deformidade.

Muitas crianças vítimas de chacotas e apelidos maldosos por apresentarem orelha em abano, chegam a apresentar sérios distúrbios de comportamento a ponto de abandonarem a escola. Para evitar que o problema se agrave, a cirurgia está indicada a partir dos 6 anos de idade, época em que a orelha apresenta características da orelha adulta.

A anestesia de escolha é a geral, podendo ser utilizada a local com sedação em crianças maiores, desde que as mesmas sejam bem informadas e cooperativas. Nos adultos utiliza-se apenas a local, com ou sem sedação. O uso de um creme anestésico aplicado no local 40 minutos antes da cirurgia elimina por completo a dor da injeção. No pós-operatório os meninos são estimulados a usar uma faixa de tenista na cabeça, cobrindo as orelhas por 3 semanas, até que se forme uma cicatriz interna capaz de manter a orelha na sua nova posição. Para as meninas é recomendada uma faixa de bailarina.

 

© Copyright 2006 - Plastibel | todos os direitos reservados - Design by Spellcaster